para estes próximos minutos seja lá quanto durem

para estes próximos minutos
seja lá quanto durem
sua extensão quimérica deve, sobretudo, nadar
como rebentação navega ao vento
tu que fecha os olhos
pode ver muito mais;

o sorriso que desenha a humanidade,
minha mãe um dia me disse
“há de ser, um dia, homem. há de ser, portanto, uma criança.”

olhei nos olhos do vidro embaçado e chuviscado
molhado, úmido, velho, desfocado
meus olhos, na verdade.

vi o ônibus cruzando a teodoro sampaio
e nele, ficaram meus olhos
deitado na praça benedito calixto
sentado, seja lá o que for,

aproximou-se um cão
cheirou-me os pés
não fui-lhe aprazível
e por isto, o grande cão buscou o que lhe fosse

dirigiu-se à beira da rua
bebeu água da vala que ali corria
e num honda civic veio sua morte

acreditem ou não,
meio milhão de homens quiseram beber daquela vala;
na verdade queriam morrer
e no dia seguinte a praça benedito calixto lotada estava de homens

todos bebendo água da vala.

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Comenta aí, mano!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s