Presbiopia

            Tudo começou aqui. Terça-feira cinza, odiosa por si só, com a neblina pairando por toda a cidade de São Paulo em pleno meio-dia; ninguém via nada, ninguém sentia nada, se não, vontade de morrer. Todos na Av. Nossa Senhora do Sabará pareciam almas penadas que carregavam apenas o peso de um corpo, não havia um ser que não murmurasse para si mesmo lamentos como: “A vida é uma bosta”, “Por que, Deus?”, “Onde é que eu vou arrumar dinheiro pra pagar essas contas?”. Depois de cinco minutos andando na avenida já não podia ouvir-se mais nada, pois todos os murmúrios haviam se embaralhado e a única coisa que era possível de distinguir-se era um tom de completo desânimo em todas as vozes que pairavam no ar.

De pé, defronte a uma padaria erguia-se um ser ordinário por si só que tocava a tudo e todos que passavam em sua frente no ombro com a mão direita. Tudo começou aqui.

            Quarta-feira, dez horas da manhã, quatorze graus, acordei com o nariz escorrendo e os pés descobertos, o telefone tocando e ninguém atendia, a casa estava vazia. Do outro lado da linha, uma demissão em massa na empresa me fez um novo desempregado e eu comecei a viver me alimentando de seguro desemprego.

Os anos se passaram, cheguei à determinada idade cuja qual comecei a relutar o fato de estar envelhecendo, todos os meus amigos exclamavam: “Bobagem! Olha só, estou bebendo a mesma cerveja de sempre, a mesma quantidade de sempre… está tudo igual.” E terminava a frase em um tom de tristeza, poucos minutos depois ele adormecia no balcão com uma garrafa de cerveja na frente da cabeça. Os dias se passaram e comecei a ter certa dificuldade para enxergar, fui ao oftalmologista.

― É presbiopia. ― disse o oftalmologista.

            Passei uma semana sentado defronte à TV assistindo-a, mas não vendo nada por dois motivos, um deles era a dificuldade que tinha de enxergar e a segunda era a dificuldade que começava a ter em viver, pois tudo começava a se tornar cada vez mais odioso e todas as memórias doíam-me o peito; talvez fosse lá qualquer problema do coração, mas quem disse que a nostalgia não é?

Um dia decidi levantar-me e procurar no dicionário o que era essa merda de presbiopia, afinal, já estava tendo dores de cabeça todos os dias, talvez fosse algum tumor ou coisa assim também. Olhei no dicionário: “Presbiopia, diminuição da capacidade de ver devido à idade, mais conhecida por ‘vista cansada’” E na etimologia: “Do grego presbys, ‘velho’”.

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Presbiopia

  1. Rose disse:

    Uau, por que vc não me convidou antes para ver esta página ?, só prá constar: eu já tenho presbiopia, obrigada pela explicação, hahah

    • vittie disse:

      Hahahaha po, obrigado Rose! Tinha esquecido de mencionar o blog. Fico feliz que gostou. Presbiopia há de vir um dia pra cá também.

Comenta aí, mano!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s