Arquivo do mês: abril 2012

Guilherme Abreu

Pequena e doce criança… suas pupilas se dilatavam ao ver o mundo – e o mundo nelas podia ser visto. Essas, em carne viva, ainda não conheciam a maldade do mundo; que bonito era ver a folhagem alaranjada do outono, … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | 2 Comentários

[…]

Durante toda sua vida o garoto não foi capaz de agradecer os seus pais por tudo que fizeram por ele, pelo quanto o amaram, pelo quanto o defenderam; seus pais achavam-no um garoto ingrato, e assim continuou por todo o … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | 4 Comentários